Avaliação oftalmológica sob narcose

A palavra narcose é sinônimo de anestesia geral, que quer dizer ”perda dos sentidos”. Diferentes formas de narcose ou anestesia podem ser empregadas numa cirurgia ou num exame. A forma de anestesia escolhida dependerá da idade da criança, do tipo de operação e da condição da criança. O anestesista é responsável por esta decisão, que será tomada após uma avaliação e uma conversa com a criança e os pais, antes que a anestesia seja dada.

O Exame é realizado após procedimento anestésico (sedação).
É indicado para bebês, crianças e pacientes com baixa colaboração, impedindo a realização dos exames em condições normais.

Tipos de exames:
Tonometria, Biometria Ultrassônica, Paquimetria Ultrassônica, Mapeamento de Retina e Refração.

Orientações:
Exames realizados mediante acompanhamento dos responsáveis.
Jejum mínimo de 8 horas.

Entenda os tipos de narcose que podem ser realizadas:

Narcose geral/Anestesia geral

A anestesia geral (total) é muito comum e significa que a criança está completamente adormecida e sob efeito de analgésico. Esta forma de anestesia é iniciada através da injeção do anestético na corrente sangüínea ou sob forma de gás, através de uma máscara de inalação. A narcose é mantida com o suprimento contínuo de anestético seja por inalação ou injeção na corrente sanguínea, em conjunto com o medicamento analgésico.

Anestesia parcial

A anestesia parcial envolve a injeção local de anestético na área próxima à terminação nervosa. Isto resulta no anestesiamento do nervo e da região do corpo por onde ele se ramifica. Esta forma de anestesia é dada enquanto a criança dorme. A anestesia parcial é particularmente administrada à crianças como complemento à anestesia geral, a fim de se obter um alívio à dor durante e após a operação. Uma forma de anestesia parcial é a anestesia epidural.

Anestesia local

A anestesia local envolve o uso de um anestético/medicamento aplicado na pele ou injetado sob ela. Independentemente de como o medicamento seja administrado, a transmissão de dor é impedida nos nervos que entram em contato com esta substância, deste modo a região ao redor deles permanece anestesiada. Uma forma de anestesia local é o creme EMLA, que é usados em crianças antes que o tubo plástico seja inserido em sua veia. A anestesia local também ocorre em combinação com a anestesia geral para aliviar a dor durante e após a operação.


Gostou da matéria ou tem alguma dúvida? Deixe abaixo seu comentário.


Outros Exames

20/07/2018
Eletrofisiologia
25/04/2018
Biometria optica – IOLMASTER 700
25/05/2018
PAM – Medida do Potencial de Acuidade Visual
Todos os direitos reservados © 2016 - CBCO - Centro Brasileiro de Cirurgia de Olhos